Press "Enter" to skip to content

Planos de saúde coletivos sobem quase o triplo dos individuais

Folha de S.Paulo relata que o aumento de planos coletivos empresariais e por adesão chega a 20%, quase o triplo do reajuste anunciado na terça (23) pela ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) para os planos individuais, de 7,35%- abaixo dos 10% fixados em 2018.

Os planos coletivos representam 80% do mercado de saúde suplementar brasileiro, de 47,18 milhões de beneficiários, e não têm o reajuste regulado pela ANS, como os individuais. O aumento anual segue livre negociação.

Clientes da Qualicorp, que administra planos de 2,4 milhões de beneficiários de grandes operadoras como Amil, Sul América e Bradesco, receberam neste mês boletos com reajuste de 19,98%.

O índice é bem acima do IPCA, a inflação oficial do país, que fechou 2018 em 3,75%.

De 2012 a 2018, o acúmulo dos reajustes pelas operadoras nos planos coletivos chegou a 111,72%, ao passo que o acumulado pelos planos individuais alcançou 77,29%.

‘Enquanto não houver maior controle ou outros mecanismos de fiscalização por parte da ANS, os aumentos abusivos dos planos coletivos vão continuar’, afirma Rafael Robba, advogado especialista em direito à saúde do escritório do Vilhena Silva.

Segundo ele, o caminho encontrado por muitos usuários de saúde tem sido questionar judicialmente os reajustes.

Foi o que fez o cirurgião Joaquim Gama, 82, de São Paulo. Após receber boleto com mensalidade do plano de R$ 9.300, ele procurou um advogado, que ingressou com ação judicial na capital paulista.

Por meio de liminar, obteve uma redução do valor e agora está pagando R$ 6.700. ‘De acordo com o entendimento da juíza, o reajuste foi indevido. Vamos esperar agora a decisão final.’

Para Robba, a redução do reajuste dos planos individuais pela ANS, em relação ao ano passado, é um sinal de que a base anterior de cálculo da agência estava equivocada e que é possível aplicar reajustes menores, embora ainda bem acima da inflação.

A questão, segundo ele, é que o reajuste regulado pela ANS só atinge uma minoria dos contratos, cerca de 19%. ‘Os usuários de planos coletivos representam a maioria do mercado e estão desprotegidas. A Justiça vai resolver individualmente o problema de quem a procura. Quem precisa regular é a ANS’, diz ele.

Com a retirada do mercado de planos individuais, os planos coletivos saltaram de 7,5 milhões de beneficiários, em 2000, para 31,6 milhões, em maio deste ano.

Por meio de nota, a ANS afirma que regula tanto os planos individuais/familiares quanto os coletivos, inclusive no que se refere ao reajuste anual.

Diz que, em relação aos coletivos, monitora os percentuais anuais aplicados pelas operadoras e que o tema ‘aprimoramento das regras referentes aos contratos coletivos’ foi incluído na agenda regulatória.

Afirma também que os consumidores têm o poder de escolha. ‘Caso entendam que seu plano de saúde não está lhes atendendo adequadamente, podem optar pela portabilidade para outra operadora’, diz a agência.

Também por nota, a Qualicorp informa que a responsabilidade pela definição e aplicação do reajuste anual é exclusiva das operadoras de planos de saúde.

‘Na função de administradora de benefícios de planos coletivos, a companhia busca negociar reajustes menores para os consumidores. Além disso, oferece outras alternativas de planos e produtos para que seus clientes possam manter o acesso à assistência médica de qualidade.’

A administradora diz ainda que é contra os reajustes elevados porque prejudicam e afastam seus clientes, reduzem as vendas e, consequentemente, afetam os resultados da empresa.

A companhia defende também a criação de um índice setorial que reflita o real custo da saúde no Brasil.

A Abramge (Associação Brasileira de Planos de Saúde) afirma que o índice de 7,35% aplicado pela ANS aos planos individuais é bem inferior à variação dos custos médico-hospitalares, ou inflação médica, que em 2018 foi medida em 16,8%, ou seja, bem próximo aos índices aplicados pelos planos coletivos.

Segundo a associação, as mensalidades pagas por beneficiários de planos individuais não são suficientes para cobrir os custos desses planos, podendo levar a insolvência produtos que hoje têm 1,6 milhão de beneficiários.

‘Importante frisar também que nos últimos três anos mais de 50 operadoras encerraram suas atividades.’

A Abramge diz ainda que mesmo em países desenvolvidos os índices de reajuste dos planos de saúde são, costumeiramente, mais elevados do que os custos gerais. A inflação médica leva em conta volume de procedimentos cobertos, preços desses serviços e incorporação tecnológica.

Please follow and like us:

Be First to Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial