Press "Enter" to skip to content

Empresa gasta menos, mas paga mais por plano de saúde

Valor Econômico relata que usuários de planos de saúde empresarial gastam menos do que os clientes de convênios médicos individuais. Ainda assim, reajustes do preço do plano empresarial têm sido bem superiores nos últimos anos. No acumulado entre 2015 e 2018, o custo médico-hospitalar da modalidade empresarial subiu 73% e o reajuste médio aplicado ficou em 84%. Já no individual, o custo teve uma alta variação de 96,2% e o aumento de preço foi de 61%.

Nesse mesmo período, o índice que mede a variação dos preços dos planos de saúde (IPCA/IBGE) subiu 60,7% — mesmo patamar dos convênios individuais, cujos reajustes são controlados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

A desproporção entre os indicadores divulgados pelo IESS, ANS e IBGE joga luz sobre os critérios adotados para calcular o reajuste do plano de saúde e levanta questionamentos sobre qual desses indicadores é o correto.

“Olhando esses números, alguém poderia facilmente dizer que o IESS, que é ligado às operadoras, tem interesse numa inflação médica mais alta, a ANS teria um viés político e puxaria o mesmo indicador para baixo e o IPCA Planos de Saúde mede seu indicador com base nos reajustes da ANS. O fato é que todos não podem estar certos ao mesmo tempo com tanta oscilação observada na medição do mesmo índice”, disse Luiz Feitoza, sócio da consultoria Arquitetos da Saúde.

“Defendo que as empresas pagadoras dos planos de saúde criem seus próprios indicadores e referências de reajuste a fim de evitar tais distorções”, complementou Adriano Londres, também sócio da Arquitetos da Saúde.

Segundo José Cechin, superintendente do IESS, a carteira de planos individuais acompanhada pelo instituto tem um custo médico hospitalar elevado porque seus usuários estão envelhecendo. Desde 2007, essa carteira é formada pelos mesmos beneficiários.

A Mercer Marsh também levantou dados de 150 mil funcionários de nove empresas que possuem programas estruturados de gerenciamento de saúde a fim de checar se houve controle de custo do convênio médico com tais iniciativas, entre setembro de 2017 e agosto de 2018.

“Neste período, o custo com o plano caiu R$ 35 milhões. As empresas conseguiram esse resultado porque adotaram efetivamente um programa estruturado de saúde. Isso quer dizer que o gestor dos departamentos e o RH trabalham integrados. Um exemplo: não adianta a empresa dar academia aos funcionários, mas eles não terem tempo devido à carga de trabalho ser alta”, disse Mariana.

Please follow and like us:

Be First to Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial