Press "Enter" to skip to content

“Healthtechs” atraem US$ 8,9 bi com novos modelos de negócios

Valor Econômico conta que as empresas voltadas para serviços digitais no setor de saúde, as chamadas healthtechs, vêm chamando a atenção de investidores e usuários — sejam pacientes no modelo B2C, ou hospitais, clínicas e laboratórios, no modelo B2B. Relatório do Mercom Capital Group aponta que, em 2019, o financiamento global de venture capital para o setor de saúde digital chegou a US$ 8,9 bilhões, em 615 negócios.

As empresas voltadas para a prática de assistência médica (B2B) levantaram US$ 3,6 bilhões em 261 negócios (40%), e as que têm foco no paciente (B2C) captaram US$ 5,3 bilhões, em 354 transações (60%). O relatório revela que o valor médio das negociações de financiamento em 2019, em 30 países, foi de US$ 14,4 milhões, ante US$ 13,6 milhões em 2018.

Outro relatório, o Distrito Healthtech Report, identificou a ocorrência de 36 empresas consideradas unicórnios, com valor de mercado acima de US$ 1 bilhão. No Brasil, o número de healthtechs passou de 160 em 2014, para 386 em 2019, um aumento de 141%. Dessas, 47,6% são B2B e 39,5% voltadas a usuários e pacientes.

Entre as empresas destacadas pelo relatório está a Memed, que, segundo o CEO Ricardo Moraes, procura reduzir os riscos que envolvem a prescrição médica, por meio de ferramenta digital de prescrição que evita erros de interpretação dos medicamentos.

“Diferentemente do mercado financeiro, que foi surpreendido pelas fintechs, os grandes players do setor de saúde estão se movimentando junto com as healthtechs. A corrida está em novos modelos de negócio, como planos de saúde digitais que procuram resolver todos os problemas do paciente antes que ele vá ao hospital, onde os custos são elevados”, analisa Gustavo Araújo, CEO do hub de inovação Distrito.

O Hospital Israelita Albert Einstein é dos mais ativos e já soma oito anos com seu programa de telemedicina para oferta de serviços especializados a outros hospitais do país e a plataformas da Petrobras . Foram 178 mil atendimentos, e, em algumas UTIs, houve queda de mortalidade superior a 50%.

“Hoje temos 181 leitos, divididos em oito UTIs, visitados remotamente por nossos médicos, mais do que os leitos físicos do Einstein. No programa de teledermatologia, zeramos em seis meses uma fila de 70 mil pessoas”, enumera dr. Sidney Klajner, presidente do Einstein.

O hospital tem um programa de inovação e já recebeu mais de 1,2 mil startups. Atualmente, a aceleradora apoia 41 empresas. Entre elas, a Anestech, que reduz a criticidade nos centros cirúrgicos, oferecendo informação para anestesistas em aplicações mobile e com análise de dados.

“É uma ferramenta de apoio cognitivo que, por meio de inteligência artificial, identifica padrões e prevê eventos adversos, melhorando a tomada de decisões imediatas durante as cirurgias”, diz Diógenes Silva, CEO da Anestech.

A Psicologia Viva oferece consultas on-line com psicólogos, por meio de vídeo-chamada. Edinei Santos, CEO da empresa, explica que há requisitos de segurança, como não permitir a gravação das sessões. “Entre os pacientes, 85% afirmam que a consulta on-line é igual ou melhor do que a presencial, e 92% observaram melhora na vida pessoal e na profissional”, diz.

A EPHealth é uma ferramenta de saúde preventiva voltada para atenção primária, com aplicativo para agentes de saúde em campo e software na nuvem para monitoramento e controle da população. “Um total de 36 prefeituras adotou a versão paga e 3,5 mil a gratuita. Em todas, as campanhas de saúde ficaram mais assertivas”, ressalta Pedro Marton, CEO da empresa.

A Neoprospecta atua em segurança do ambiente hospitalar, desenvolvendo e aplicando tecnologia de microbioma, baseada em sequenciamento de DNA em larga escala, genômica e bioinformática na detecção de micro-organismos para evitar infecções. “Começamos na indústria alimentícia e criamos uma solução para a área de saúde”, explica Luiz Felipe Valter de Oliveira, CEO da Neoprospecta.

Outra tendência são os hubs especializados, como a Techtools Ventures , agregadora de inovação em saúde, com modelo de rede que integra 2 mil hospitais, 50 fundos parceiros e 8 mil startups mapeadas em todo o mundo. A empresa tem investimentos diretos e em parceria em 56 startups.

Jeff Plentz, presidente da Techtools, diz que o foco inicial do boom de health techs foi em soluções para a gestão, mas ele destaca o surgimento de inovações científicas, como a desenvolvida pela startup brasileira Brain4care. Trata-se de um método não invasivo e pioneiro no mundo, capaz de monitorar pressão intracraniana (PIC) e sua tendência ao longo do tempo.

A solução envolve um sensor IoT externo encostado na cabeça do paciente, que capta alterações e condições que antes somente poderiam ser coletadas por meios invasivos, como um cateter inserido cirurgicamente no cérebro. Assim, é possível acompanhar a evolução clínica de pacientes neurocríticos.

Be First to Comment

Deixe uma resposta

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial