Press "Enter" to skip to content

Colapso do sistema

O Globo relata que, com a acelerada disseminação do novo coronavírus no Brasil – que teve 904 casos confirmados e 11 mortes em 24 dias, até ontem – , o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, decretou estado de transmissão comunitária em todo o território nacional e estimou como se dará a multiplicação de casos da Covid-19.

– A gente imagina que ela vai pegar velocidade e subir na próxima semana ou 10 dias. Essa subida rápida vai durar o mês de abril, o de maio e o de junho, quando ela vai começar a ter uma tendência de desaceleração de subida – disse Mandetta, durante reunião com empresários, realizada por videoconferência.

Segundo o ministro, os casos se estabilizariam em julho, começariam a cair em agosto e teriam “queda profunda, tal qual a da China”, em setembro.

Nesse cenário, o sistema de saúde brasileiro deve entrar em “colapso” já no próximo mês, afirmou Mandetta, chegando ao cenário atual da Itália, que superou a China em número de mortos.

– Claramente, no final de abril, nosso sistema entra em colapso. O que é um colapso? E quando você pode ter o dinheiro, você pode ter o plano de saúde, pode ter a ordem judicial, mas simplesmente não há um sistema para você entrar. É o que está vivenciando a Itália, um dos países de primeiro mundo. Atualmente, não tem aonde entrar.

No final da reunião, no entanto, o ministro mudou de discurso, afirmando que não haverá colapso.

– Teremos problema? Sei que teremos. Aqueles que eventualmente aplaudem hoje vão jogar pedra daqui a um mês, dois meses. Mas nós não vamos deixar ninguém para trás e vamos trabalhar muito duro. Talvez no final a gente saia muito orgulhoso do nosso SUS. Vamos ter estresse, mas vamos passar por essa sem colapso.

‘FORA DE CONTROLE’

Durante a reunião, o superintendente do Hospital do Rim, José Medina, afirmou que a situação vai ficar “fora do controle” em breve, quando a o vírus chegar com mais força nos mais pobres.

Medina ressaltou que essas pessoas têm dificuldade de fazer isolamento e necessitam mais do Sistema Único de Saúde (SUS).

– Até agora, os que estão internados são pessoas de classe média ou classe média alta. Então, essas pessoas estão quase lotando os hospitais privados Já começou a disseminação nos pacientes mais da periferia, que têm menos recursos e que são pacientes do SUS. Vão lotar, como o ministro falou, vai ficar fora de controle, como está na Itália. O momento agora é de ver como nós vamos poder atender a esses pacientes.

Medina sugeriu utilizar escolas e outros prédios para realizar o isolamento dessas pessoas, uma vez que elas não teriam condições de fazê-lo em suas casas.

– O número de pacientes que vai aparecer na semana que vem e nos próximos 15 dias é muito grande. Quando eu pego um paciente do SUS e falo: “Você precisa ficar isolado dentro da sua casa”, onde ele mora com um número muito grande de pessoas, não tem (lugar) para fazer esse isolamento.

Em resposta, Mandetta afirmou que o Brasil teve mais tempo para se preparar do que a Itália e afirmou que o SUS tem “capilaridade”.

– Nós tivemos uma vantagem, pequena, de saber 60 dias antes quais eram algumas das características desse inimigo. A Itália foi o primeiro país ocidental a descobrir isso – disse o ministro, enumerando outros pontos positivos. – O sistema tem capilaridade, em todas as cidades nós temos unidade de saúde. Temos 46 mil equipes de saúde da família, 85% dos casos que têm sintomas são leves. Nossa população é muito mais jovem (do que a italiana).

‘GRIPEZINHA

Mais tarde, em uma entrevista coletiva no Palácio do Planalto, Mandetta viu o presidente Jair Bolsonaro minimizar a Covid-19 ao ser indagado sobre seu estado de saúde.

– Depois da facada, não vai ser uma gripezinha que vai me derrubar – afirmou Bolsonaro, referindo-se ao ataque que sofreu em 2018.

A saúde de Bolsonaro vem sendo alvo de especulação depois que ao menos 22 pessoas que tiveram contato com ele durante uma viagem aos EUA testaram positivo para a doença. Nos últimos dias, Bolsonaro anunciou que se submeteu a dois exames e que ambos deram negativo para a Covid-19.

Ainda ontem, quando saía do Palácio da Alvorada, o presidente disse que poderia fazer um terceiro exame.

– Eu estou bem. Fiz dois testes. Talvez faça mais um até. Recebo orientação médica – disse Bolsonaro. Aqui em casa, toda a família deu negativo. Talvez, eu tenha sido infectado lá atrás e nem fiquei sabendo. Talvez. E estou com anticorpo.

MORTALIDA DE ESTÁ EM 1,2%

O Ministério da Saúde informou ontem que o número de casos do novo coronavírus no país subiu mais de 45% em 24 horas – eram 621 anteontem e passaram a 904. Como 11 destes casos terminaram em mortes, a taxa de mortalidade do Sars-CoV-2 no Brasil está em 1,2%.

O estado mais afetado é São Paulo, com 396 casos e nove mortes. Em seguida, aparecem o Rio de Janeiro, com 109 casos e dois óbitos, e o Distrito Federal, com 87 casos e nenhuma morte.

Os estados de Roraima e do Maranhão são os únicos sem nenhum caso confirmado.

Be First to Comment

Deixe uma resposta

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial