Press "Enter" to skip to content

Prevent Senior rebate críticas de Mandetta sobre ação na pandemia

Valor Econômico completa que a Prevent Senior rebateu as críticas do Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que acusou a operadora de planos de saúde de ter um modelo de negócio inviável, porque concentra um público idoso. Mandetta também afirmou, em entrevista coletiva na terça-feira, que o hospital Sancta Maggiore, pertencente ao grupo, foi contaminado e abordou a possibilidade de uma intervenção.

“Falar de modelo de negócio com quem veio de cooperativa médica, que não paga imposto, é complicado”, disse Fernando Parrillo, fundador e presidente da Prevent Senior. Mandetta foi presidente da Unimed Campo Grande (MS), nos anos 1990.

Sobre a ameaça de intervenção, Parrillo disse que esse papel cabe à Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e que as questões sanitárias estão em ordem. A Anvisa emitiu laudo de aprovação do Hospital Sancta Maggiore, no último dia 19.

O secretário estadual de Saúde, José Henrique Guermann, disse que foram feitas duas visitas à unidade, em conjunto com a Prefeitura de SP e o Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Covisa). Segundo ele, a ideia é ajustar as condições na unidade, em vez de tirar os pacientes de lá. “O intuito é dar melhores condições para o hospital trabalhar”, afirmou Germann, explicando que algumas modificações tiveram de ser feitas, mas nada que justifique o fechamento do hospital.

“Ao invés do Ministro da Saúde questionar a ANS quanto ao modelo da Prevent Sênior, deveria o Ministro questionar a razão pela qual a grande maioria das operadoras, inclusive algumas Unimed’s, cujo sistema ele, inclusive, já fez parte, rejeitarem planos individuais de idosos há cerca de 16 anos, mais especificamente desde 2004 por ocasião do Estatuto do Idoso. Ou seja, não estivessem na Prevent Sênior muito provavelmente estariam no SUS, disse uma fonte.

O ministro da Saúde também disse ainda que as 79 mortes registradas no Hospital Sancta Maggiore ocorreram porque houve uma contaminação. “Já se constituiu um ambiente de transmissão lá dentro”, disse Mandetta. Pedro Batista, diretor médico da Prevent Senior, nega. “Os meus pacientes já chegaram infectados, não foi no hospital. Até porque eles chegam primeiro em um dos nossos prontos-socorros, lá mesmo são testados e examinados. Só após isso, é que, se for caso de internação, são encaminhados aos hospitais exclusivos”, disse Batista.

O diretor médico da Prevent Senior rebateu afirmando que nem a Secretaria da Saúde nem o Ministério Público estiveram nos hospitais do grupo para analisar prontuários dos pacientes ou outros documentos para se concluir que há infecção nos hospitais.

O diretor médico diz ainda que a taxa de letalidade para o novo coronavírus para pessoas com 80 anos na Prevent Senior é de 12% e média mundial, estabelecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS), é de 15%.

Cerca de 60% dos 614 leitos da rede hospitalar Sancta Maggiore já estão alocados para pacientes com ou suspeita da covid-19. Nesta semana, a operadora de planos de saúde, que atende basicamente o público com mais de 65 anos, separou seu terceiro hospital para atender exclusivamente esses pacientes. Desde o dia 9 de março, 830 usuários da Prevent Senior foram internados com ou suspeita do novo coronavírus.

Desse total, 79 foram a óbito, o que representa 9,5% do total de pacientes internados nos hospitais Sancta Maggiore. É o maior volume de mortes vindo de um único hospital até o momento.

Numa outra fala, Mandetta questiona Agência Nacional de Saúde Suplementar de permitir que a operadora atue focando no público idoso. “A ANS não deveria ter autorizado isso”, disse.

As afirmações de Mandetta ocorrem num momento de queda de braço entre o Ministério da Saúde e a agência reguladora para liberação de R$ 10 bilhões das reservas para as operadoras. A ANS vem colocando uma série de exigências que não tem agradado às operadoras. Segundo fontes, o ministro tem apoiado os pleitos das operadoras, em especial das cooperativas médicas.

Além disso, ainda de acordo com fontes, o ministro da saúde vem tentando esvaziar o poder da ANS que poderia ser substituído pelo Conselho de Saúde Suplementar (Consu).

As críticas de Mandetta foram mal digeridas dentro da agência reguladora de saúde, cujos diretores acompanharam ao vivo. “Inacreditável um ministro da Saúde falar uma atrocidade dessas em rede nacional”, afirmou um diretor que preferiu não se identificar. O principal argumento em defesa da Prevent Senior é de que a operadora oferece planos individuais ao público idoso, que geralmente é rechaçado pela maior parte das empresas. “É claro que eles tiveram mais mortes que as outras operadoras, as outras operadoras não têm idosos, eles colocam pra fora”, afirmou a fonte.

“Eu tenho dialogado com São Paulo. Hoje, estavam falando em intervenção desse hospital.” Essa fala do ministro foi interpretada por alguns como forma de apoio ao governo de João Doria e também para deixar o ônus da pandemia da covid para o setor privado.

3 Comments

Deixe uma resposta

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial