Press "Enter" to skip to content

Dra. Nise e a batalha para salvar o Brasil do vírus

Médica e cientista Nise Yamaguchi propõe ao presidente Jair Bolsonaro a adoção do tratamento precoce com cloroquina em todo o Brasil

Quando a Dra. Nise Yamaguchi adentrar o Palácio do Planalto para conversar com o presidente Jair Bolsonaro, estará vivendo um dos momentos mais decisivos em seus 40 anos dedicados à medicina. Imunologista e cancerologista de renome internacional, participante de sociedades científicas na Europa e nos Estados Unidos, médica do Hospital Israelita Albert Einstein, Nise esteve na linha de frente em diversas batalhas pela saúde no Brasil e no mundo, ao trabalhar com pacientes de aids desde o surgimento dos primeiros casos da doença no Brasil; ao realizar cursos na Alemanha e Suíça sobre atendimento humanizado de pacientes com câncer; ao organizar no país centros de alta complexidade no atendimento à saúde; ao atuar na guerra contra a gripe H1N1; e ao contribuir, como sócia-fundadora e cientista sênior da World Cancer Alliance (sediada em Lyon, na França), para melhorar o acesso ao tratamento de câncer em países de baixa e média renda. Contudo, talvez nenhuma dessas notáveis realizações supere a dimensão do desafio que ela enfrenta agora: ajudar o Brasil a vencer a pandemia de coronavírus que tanto medo e sofrimento vem semeando no planeta.

Existem pessoas que fazem parte da solução e pessoas que fazem parte do problema. Definitivamente, como atesta a sua trajetória profissional, Nise Yamaguchi pertence ao primeiro grupo, e é como tal que ela se apresenta ao presidente da República, portando a boa nova que pode mudar os rumos da história da epidemia em nosso país e oferecer um modelo de sucesso ao mundo. Nas últimas semanas, a médica foi testemunha de uma surpreendente reviravolta no tratamento de pacientes de Covid-19. O caso envolve uma comunidade de 450 mil pessoas com mais de 60 anos atendidas pela rede Prevent Senior na cidade de São Paulo. “Em fevereiro, os hospitais da rede registraram cerca de 80 mortes causadas por coronavírus em pacientes idosos”, conta Nise. “Com base em estudos clínicos realizados recentemente na França e em outros países, decidiu-se adotar um tratamento preventivo com essa população, oferecendo hidroxicloroquina nos primeiros dias da infecção. Imediatamente percebeu-se que isso diminuía muito o risco do agravamento da doença.”

Por meio da telemedicina e do uso de um aplicativo de celular, a Prevent Senior monitorou essa população de risco. Cerca de 400 pessoas que apresentaram os sintomas de coronavírus receberam a hidroxicloroquina em casa, sem precisar passar pelo pronto-socorro. Desse total, 200 já receberam alta e nenhum ― repetimos: nenhum ― precisou ser internado. “É um achado muito significativo, porque estamos falando de quase meio milhão de pessoas, com mais de 60 anos, vulneráveis, com comorbidades (outras doenças)”, observa a médica. “Em duas semanas, essa realidade mudou completamente: de prontos-socorros apinhados e dezenas de mortes para uma situação próxima da normalidade. A mudança foi tão súbita que a Prevent Senior chegou a ser acusada de subnotificação. Mas não estavam deixando de notificar as mortes, é que elas não estavam ocorrendo!”

Nise Yamaguchi está agora empenhada em replicar esse modelo para todo o Brasil, de modo que todas as pessoas que apresentarem os primeiros sintomas da doença possam receber a hidroxicloroquina em casa. “É importante construir UTIs, aumentar os leitos hospitalares, promover o isolamento vertical e adotar medidas de prevenção ― mas não podemos nos limitar a isso. O tratamento precoce com hidroxicloroquina pode ser feito em larga escala, como fizemos com o Tamiflu durante a epidemia de H1N1.” A médica explica que a hidroxicloroquina, em associação com o antibiótico azitromicina, atua fortalecendo as células humanas e diminuindo a capacidade de replicação do vírus. Se aplicado até o 4º dia de aparecimento dos sintomas, esse tratamento diminui exponencialmente o risco de internação e a necessidade de uso do respirador. “Não podemos esperar para tratar só quem está com os sintomas graves. Também não se trata de escolher entre equipamentos ou medicamentos, prevenção ou tratamento. Não devemos usar o ‘ou’, mas o ‘e’. Só uma estratégia não será suficiente. Temos que usar todas as estratégias.” Sobre o isolamento social, Dra. Nise observa, com base em sua experiência no tratamento a comunidades pobres: “Não é possível fazer o isolamento social em locais em que dez pessoas moram na mesma casa. Nesses locais, é preciso tratar quem está doente logo no início da infecção.” 

Logicamente, é um desafio gigantesco tornar o tratamento disponível à população de um país como o Brasil, com dimensões continentais e enormes disparidades entre as regiões. Um primeiro passo é estimular que os pacientes, logo ao surgimento dos primeiros sintomas da Covid-19, assinem um protocolo de adesão para uso da hidroxicloroquina. Trata-se de um documento em que o paciente aceita receber o medicamento e assume as consequências por essa decisão. Para que o medicamento possa chegar a todas as pessoas necessitadas, incluindo as comunidades carentes, será preciso realizar um grande esforço conjunto entre ministérios, governos e órgãos de saúde ― e uma coordenação centralizada. “A hidroxicloroquina precisa estar disponível nas farmácias populares, e o protocolo de adesão poderá ser enviado pelo aplicativo do SUS. Fazer o medicamento chegar a todos que precisem, onde quer que estejam, é uma grande batalha, mas, se não nos colocarmos nesse caminho, vamos perder o bonde da história.”

Para Nise Yamaguchi, o momento atual é decisivo. “Não podemos ficar de braços cruzados, esperando a hora de ir para o matadouro. Temos que curar os que podem ser curados e usar o tratamento que está disponível. É necessário combinar a ousadia com o conhecimento. Sabemos como se comporta esse vírus; já está claro que o uso da hidroxicloroquina reduz a carga viral e salva a vida das pessoas. Ademais, não estamos falando de introduzir um novo medicamento, mas de usar um produto que está no mercado há mais de 70 anos, na forma de quinino. Quando se aplica o método precoce com a hidroxicloroquina, as pessoas percebem que é como um ovo de Colombo. Como não havíamos pensado nisso antes? Por que tantos tiveram de morrer? Agora precisamos desenhar padrões que possam ser replicados e beneficiar o maior número de pessoas. Ao final, podemos mudar o curso da epidemia. Esse é o meu sonho para o Brasil.”

E é isso que a Dra. Nise vai dizer ao presidente.

Fonte: Brasil Sem Medo

Be First to Comment

Deixe uma resposta

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial