Press "Enter" to skip to content

Hospitais Privados dizem a Toffoli que seus equipamentos estão sendo esgotados pelo governo

Estadão conta que A Associação Nacional dos Hospitais Privados (Anahp) e outras entidades de instituições de Saúde e laboratórios afirmaram ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça, Dias Toffoli, que requisições de governos e decisões da Justiça do Trabalho estão contribuindo para esgotar seus equipamentos e insumos. Pedem que o ministro adote medida para requisições administrativas de seus itens só sejam feitas após não haver outra saída para a Administração Pública.

As entidades ainda pedem a Toffoli que adote medidas para que a Justiça do Trabalho passe a evitar decisões judiciais que destinem equipamentos de prevenção ao contágio do coronavírus a profissionais que não estão na linha de frente da Saúde.

A requisição administrativa é uma medida prevista em lei para que o Poder Público se aproprie de bem privado em situações de urgência. Usualmente, se houver dano, o Estado deve indenizar o alvo da medida. Governos têm adotado esse tipo de solução para pedir a entes privados equipamentos na área da Saúde, com o fim de destiná-los a hospitais públicos e agentes do SUS.

Os pedidos foram feitos durante videoconferência liderada pela Anahp com o ministro. “O objetivo foi solicitar uma intervenção imediata do STF para evitar os abusos de autoridade na requisição  de materiais essenciais para a assistência à saúde, para evitar que por falta de equipamentos de proteção individual profissionais sejam contaminados e afastados do trabalho e o atendimento a pacientes seja impactado por falta de equipamentos, de insumos hospitalares e de ventilação e monitoramento”, afirma a entidade, que representa 122 hospitais privados.

O presidente da entidade, Eduardo Amaro, destacou que o setor sofre com a incerteza sobre o fornecimento destes materiais, necessários para a continuidade da prestação de serviços durante s pandemia de Covid-19.

“As dificuldades de suprimento do setor hospitalar são grandes. Por exemplo, são necessários EPIs para proteger as pessoas que estão na assistência . Acredito que, com essa reunião, compartilhamos um pouco dessa experiência para que as eventuais requisições sejam feitas dentro de uma visão sistêmica, balizamento adequado e de forma fundamentada e menos gravosa possível”, afirma.

As entidades também reclamam, em ofício ao presidente do STF, de decisões da Justiça do Trabalho.

“Mesmo com a demanda cada vez maior por EPI’s (e com a oferta cada vez mais comprometida), também nos deparamos com decisões proferidas pelo Judiciário Trabalhista, em sede de ações coletivas, em que é determinado ao estabelecimento hospitalar que forneça tais materiais e equipamentos a outros profissionais que não os de saúde, e que sequer militam diretamente com os enfermos, tais como agentes de portaria, porteiro, segurança ou cargos correlatos, em prazos mínimos (24 ou 48 horas), sob pena de vultosas multas”, afirmam.

Be First to Comment

Deixe uma resposta

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial