Press "Enter" to skip to content

Qualicorp destina R$ 14 milhões para reforçar a saúde pública

Ação social Empresa cria fundo para apoiar corretores que fiquem doentes e percam renda

A Qualicorp, empresa que vende e administra planos de saúde, destinou R$ 14 milhões para obras na área da saúde, em especial para hospitais em São Paulo e no Rio de Janeiro, onde fica sua sede.

Na capital paulista, na terça-feira, a Santa Casa de Misericórdia inaugurou 145 novos leitos para atender pacientes do SUS, dos quais 30 são de UTI. A construção foi feita por um consórcio formado também pela Rede D’Or e SulAmérica. A Qualicorp entrou com R$ 4 milhões de um total investido de R$ 22,5 milhões.

No Rio de Janeiro, a administradora contribuiu com R$ 5 milhões para a construção de um hospital de campanha com 200 leitos (100 de enfermaria e 100 de UTI) no Parque dos Atletas, zona oeste da cidade. “Nossa missão é promover saúde, e os projetos que escolhemos são os que beneficiam exclusivamente os pacientes do SUS, onde as necessidades são maiores”, afirma Pablo Meneses, vice-presidente de operações e relacionamento da Qualicorp.

O custo do hospital foi de R$ 50 milhões, todo bancado pela iniciativa privada: além da Qualicorp, entraram Movimento União Rio, Rede D’Or, Stone Pagamentos, Mubadala, SulAmérica Seguros, Vale e Banco BV.

Uma ação específica para ajudar colaboradores foi disponibilizar 30 mil testes rápidos para seus 2 mil funcionários diretos e seus familiares, e cerca de 30 mil corretores que vendem seus planos de saúde por vias digitais. Quem precisa do teste, envia um pedido para a área de inteligência médica da companhia, que encaminha o procedimento para laboratórios ou outros locais de atendimento. “Se necessário, o teste pode ser agendado até para a casa do colaborador”, afirma Meneses.

A empresa também está oferecendo um subsídio de R$ 1 mil para cada corretor diagnosticado com covid-19 e que tenha sido impedido de trabalhar. Para isso, criou um fundo de R$ 2 milhões, que poderão, eventualmente, ser usados para corretores que tiveram perda de receita por causa da pandemia.

“A maioria dos corretores trabalha como freelancer, sem salário fixo, e perdeu receita na crise. O fundo pode ajudar quem além de tudo ainda contraiu a doença”, afirma Meneses.

Outros 3 mil testes rápidos foram doados para profissionais de saúde do Rio de Janeiro, além de 3 mil litros de álcool em gel para as comunidades de Vidigal, no Rio, e Paraisópolis, em São Paulo.

Fonte: Valor Econômico

Be First to Comment

Deixe uma resposta

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial