Press "Enter" to skip to content

Cistos e tumores odontogênicos: entenda quais são os tratamentos

Dentista explica como a descoberta precoce pode auxiliar nesse caso

Dentro dos serviços do profissional especializado em cirurgia bucomaxilofacial, está a tratamento dos cistos e tumores odontogênicos. O primeiro geralmente são lesões que ocorrem nos ossos dos maxilares de crescimento lento e muitas vezes assintomáticos. São anomalias que possuem tratamentos eficazes e que normalmente não deixam nenhuma sequela quando realizado de forma precoce.

Segundo o cirurgião dentista, Dr. Fábio Ricardo Loureiro Sato, é muito importante o auto-exame e procurar um profissional assim que detectar qualquer alteração na região bucal, ou seja, nas bochechas, gengiva, língua, garganta e no pescoço. “Caroços que surgiram, grandes volumes desconhecidos, lesões avermelhadas ou esbranquiçadas, com sangramento são as principais alterações que podem aparecer”, comenta.

O ideal é que ao se deparar com essa situação, procure-se o mais rápido possível um profissional especializado nessa área, para que seja feito uma série de exames e o diagnóstico correto. “Ao detectar uma alteração de normalidade, o profissional normalmente indica a realização de uma biópsia, já que é por meio dela que é possível dar o diagnóstico preciso da lesão”, explica o cirurgião bucomaxilofacial.

Sato ainda complementa da importância da descoberta precoce, pois quanto antes for diagnosticado, mais simples serão os tratamentos, com ressecções menor, além de evitar sequelas maiores para os pacientes.

Conforme citado acima, as formas de tratamento para os tumores são, em geral, são geral cirurgias de ressecção. Já os cistos normalmente são tratados através de curetagem, mas há variações de técnicas de acordo com o tipo da lesão, por isso a importância do diagnóstico correto para cada caso.

“Apesar de serem lesões pouco agressivas, existe a possibilidades de recidiva em alguns casos, mas o prognóstico normalmente é bom, e são raras às vezes em que ocorre sequelas maiores. Tudo depende da agilidade com que o diagnóstico e o tratamento serão realizados”, finaliza Dr. Fábio Sato.

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial