Press "Enter" to skip to content

Rede Saúde Total apoia Campanha Dezembro Vermelho

Nos últimos meses, a Rede Saúde Total vem apoiando campanhas como o Setembro Amarelo, o Outubro Rosa, o Novembro Azul e não seria diferente com o Dezembro Vermelho, por ocasião do primeiro dia desse mês, que é o Dia Mundial da Luta contra a Aids. A empresa gestora de benefícios em saúde e qualidade de vida está sempre orientando seus beneficiários sobre a importância da saúde de uma maneira geral, firmando o direcionamento de pautas que se referem ao combate de diversas enfermidades.

O último mês do ano é também um tema com ações promovidas em diversas partes do mundo. A criação de datas é interessante porque tem como finalidade firmar debates de assuntos que são essenciais na agenda da sociedade. Você já ouviu falar sobre o Dezembro Vermelho? Sabe do que se trata? Se não, chegou à hora de conhecer todos os detalhes. A Rede Saúde Total abraçou a causa e relacionou as informações, que seguem abaixo.

Dezembro Vermelho: mês da conscientização e combate à Aids

1º de dezembro é o Dia Mundial de Luta Contra a Aids.

A data foi estabelecida internacionalmente em 1987 por decisão da Assembléia Mundial de Saúde com apoio da Organização das Nações Unidas (ONU). No Brasil, o Ministério da Saúde adotou a data um ano depois.

O objetivo foi o de reforçar a solidariedade, a tolerância, a compaixão e a compreensão com portadores de AIDS.

Nada mais justo do que prolongar o dia para um mês todo. Dezembro, portanto, é o dezembro vermelho, o mês da conscientização e combate à AIDS.

O laço vermelho como símbolo

A cor foi escolhida para ilustrar o dezembro vermelho por causa do símbolo já utilizado pela causa, o laço vermelho.O projeto da imagem foi criado em 1991 por um coletivo de artistas de Nova York, a Visual Aids.  De acordo com Frank Moore, artista do grupo, o motivo da escolha da cor vermelha foi a relação ao sangue e à paixão. Já o laço foi inspirado no laço amarelo que honrava os soldados norte-americanos que foram à Guerra do Golfo.Com a internacionalização do símbolo, o laço que ilustra o dezembro vermelho ultrapassou o significado que o restringia aos Estados Unidos. Hoje, a marca é relacionada aos laços afetivos, à solidariedade e ao comprometimento.

O preocupante aumento de casos

Ao mesmo tempo que uma grande parte da população tem conhecimento do que é a AIDS por causa da pandemia dos anos de 1980, os casos da doença estão em uma crescente nos últimos anos em diversos países, incluindo o Brasil. De acordo com o Programa Conjunto da ONU para HIV/Aids, o Unaids, entre 2010 e 2018, o Brasil teve um aumento de 21% no número de casos. Os dados firmam ainda mais a importância da conscientização promovida pelo dezembro vermelho.

Aids X HIV: entenda a diferença

Ainda hoje, muitas pessoas pensam que AIDS e HIV são a mesma coisa. Esta é uma concepção errada e que pode ser ofensiva. A AIDS é um efeito colateral causado pelo vírus HIV. Por falta de informação por parte dos pacientes e tratamentos, a epidemia da AIDS fez muitas vítimas nos anos 80.

A boa notícia é que a ciência evoluiu, e hoje, a maioria das pessoas que têm HIV não têm AIDS devido ao acompanhamento correto da doença. Tanto que a AIDS não está mais na lista de principais doenças do século XXI, após ser protagonista do século XX. Saber desta diferenciação e usar a nomenclatura adequada para cada caso é um pequeno e primeiro passo para contribuir para o dezembro vermelho.

Prevenção do HIV

O vírus HIV é transmitido a partir de mucosas e sangue infectado. Na prática, isso significa:

  • Relações sexuais desprotegidas;
  • Compartilhamento de agulhas e seringas contaminadas;
  • Transfusão de sangue contaminado;
  • Transmissão vertical (da mãe infectada para o bebê).

A prevenção é evitar as respectivas situações. Principalmente pelo uso de preservativos.

Ao entrar em contato com o vírus, existe a possibilidade de dois tratamentos imediatos: o Profilaxia Pós-Exposição ao HIV (PEP) e o Profilaxia Pré-Exposição ao HIV (PreP).

Carga viral indetectável: o sucesso do tratamento

A terapia antirretroviral é o tratamento para portadores de infecções por retrovírus, como é o caso do HIV. Desde 1996, o Sistema Único de Saúde (SUS) oferece gratuitamente os medicamentos de tratamento e prevenção.

Sim, há dependência ao coquetel de remédios. Mas é por causa deles que hoje é possível garantir uma vida longa e saudável aos pacientes. Um estilo de vida ativo e com alimentação balanceada também é altamente recomendado – assim como é para todos. Quando seguida corretamente – tanto na dose como na continuidade -, a terapia antirretroviral é capaz de reduzir a carga viral do HIV a ponto de ela se tornar indetectável.

Na prática, isso significa que o HIV não consta presente na corrente sanguínea em testes laboratoriais comuns, e principalmente, não é mais transmitido sexualmente – o que não significa que o uso de preservativo se torna dispensável.

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial