Press "Enter" to skip to content

Conexa Saúde fecha ano com dois milhões de teleconsultas realizadas

Empresa gerencia 6,5 milhões de pacientes com a ajuda de 48 mil profissionais de saúde, em 23 especialidades 

Com dois milhões de atendimentos realizados por meio da telemedicina, a Conexa Saúde, player de saúde digital, fecha 2020 com um crescimento exponencial. Ano passado foram sete mil consultas efetivadas e a equipe de profissionais também subiu de 20 para 204 pessoas, de um ano para outro. Atualmente, a empresa gerencia 6,5 milhões de pacientes com a ajuda de 48 mil profissionais de saúde, em 23 especialidades.

Impulsionada pela pandemia, saltou de 150 para 200 mil consultas mensais. Só de atendimentos a pacientes com sintomas ou confirmações de infecção por coronavírus foram mais de 156 mil casos no ano. Mesmo com a alta demanda, a empresa foi capaz de escalar o atendimento e o suporte técnico. O que só foi possível porque a startup, fundada em 2016 como clínica de atenção primária, já vinha se preparando para o crescimento.

O ano histórico da empresa contou com o investimento de R$ 40 milhões, da General Atlantic, Igah Ventures e família Fraga, em junho, sendo que o valor pode chegar a R$ 140 milhões nos próximos três anos. Antes desta captação, a startup já tinha recebido R$ 5 milhões em duas rodadas de captação (seed money) e uma da Igah Ventures.

A passagem de maior plataforma de telemedicina da América Latina para um player de saúde digital completo foi feita em outubro com a primeira aquisição realizada. A Conexa Saúde comprou a iMedicina, desenvolvedora de software médico, prontuário eletrônico e líder em atração e fidelização de pacientes.

Outro movimento importante para o crescimento da empresa foi a entrada no mercado B2C, com o lançamento, em setembro, da Docpass, plataforma de consultas online voltada para o usuário final. A solução fechou o ano com mais de 50 mil pacientes atendidos.

Planos para 2021

A saúde digital vem para complementar o relacionamento entre médicos e pacientes. “Ela nunca vai substituir consultas presenciais necessárias. O contato presencial ainda é importante e essencial em muitos casos”, destaca Guilherme Weigert, CEO da Conexa Saúde.

Os planos para 2021, segundo o CEO, serão pautados na democratização do acesso aos cuidados médicos e na gestão da saúde do paciente. “Todas as decisões terão o paciente no centro, já que nosso objetivo é garantir atendimentos médicos cada vez mais acessível, seguro e humanizado”, acrescenta Weigert.

Para oferecer cada vez mais soluções que atendam às necessidades dos pacientes e auxiliem os profissionais de saúde, o CEO não descarta a possibilidade de novas aquisições e parcerias. “A pandemia mostrou que a tecnologia é uma importante alida no cuidado com a saúde, tanto física quanto mental. Nossos esforços serão para oferecer soluções para acompanhar toda a jornada do paciente na gestão da sua saúde. Por isso, vamos desenvolvê-las dentro de casa ou buscar no mercado, se for necessário”, destaca.

As soluções digitais também auxiliam na gestão de gastos de hospitais, clínicas e empresas. De acordo com dados médicos, mais de 90% das pessoas que vão ao Pronto Socorro não precisariam ir, já que é um lugar para atendimentos de alta complexidade e para pessoas em situação de alto risco (como derrames, infartes ou fraturas). Os atendimentos poderiam ser realizados por clínicos ou especialistas em outras situações mais seguras.

A teleconsulta, por exemplo, vem exatamente para facilitar esse procedimento. Nos atendimentos realizados pela plataforma Conexa, em 80% das consultas, o paciente tem sua causa resolvida na primeira avaliação, entre 10 e 15% são direcionados para um atendimento com um especialista e apenas 5% encaminhados ao Pronto Socorro.

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial