Press "Enter" to skip to content

Máscara não deixa orelha de abano em adultos; crianças precisam de atenção

Condição atinge até 5% da população e é corrigida com cirurgia plástica

Com mais de um ano usando máscara e sem perspectiva de deixá-la de lado — afinal, mesmo após a vacinação os médicos recomendam seu uso — ainda há dúvida se o uso constante de máscara pode deixar as orelhas mais aparentes para sempre, ou seja, afastadas da cabeça, condição apelidada de “orelhas de abano”.

Arnaldo Korn, diretor do Centro Nacional – Cirurgia Plástica, comenta que embora a máscara possa tracionar as orelhas, não deve haver alteração na anatomia. “Pode-se perceber nesse período que, mesmo usando máscara o dia todo, quem trabalha fora de casa, quando a tira, as orelhas voltam à condição normal”, afirma Korn.

O que mantém a estrutura das orelhas são as cartilagens, estruturas fortes que já são bem definidas em adultos, sendo dificilmente alteradas. As orelhas de abano são praticamente uma condição de nascença, uma anormalidade congênita causada pela genética, ou seja, não têm influência de fatores externos.

No entanto, Korn ressalta que é preciso atenção com as crianças, por estarem com o corpo em formação. “Nesse caso, é preciso estar atento ao tipo de máscara e à pressão do elástico, observando se há lacerações, pois a cartilagem não está firme e definida como a de um adulto”, explica.

Na infância e adolescência, devido ao incômodo pessoal e também por bullying, só em 2015 mais de 48 mil ostoplastias (cirurgia plástica que corrige a anomalia) foram feitas segundo levantamento da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP). O procedimento pode ser realizado a partir dos seis anos e visa deixar as orelhas mais “coladas” na cabeça.

Korn alerta que, ao optar pela cirurgia, deve-se escolher o mais seguro, e não apenas o mais barato. “É possível contar com empresas que fazem a intermediação financeira e oferecem crédito com condições especiais de pagamento”, lembra o diretor, afirmando que saúde e estética precisam, mais do que nunca, andar de mãos dadas.

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial