Press "Enter" to skip to content

Aumentando riscos de contágio pela COVID-19, Tabaco é responsável pela morte de 400 brasileiros por dia

No Dia Mundial sem Tabaco (31 de maio), médica clínica e pneumologista da Central Nacional Unimed aborda os malefícios dos cigarros e derivados para a saúde

Neste 31 de Maio é celebrado o Dia Mundial sem Tabaco, data que busca orientar e conscientizar sobre os riscos que o tabagismo causa. A Central Nacional Unimed (CNU), fortalece o seu papel de aliada da saúde e bem-estar da sociedade e reforça os malefícios do consumo de tabaco e os riscos do hábito para o organismo.

De acordo com dados do INCA (Instituto Nacional do Câncer), há cerca de 20 milhões de fumantes no Brasil. O tabagismo é reconhecido como uma doença crônica causada pela dependência à nicotina presente nos produtos à base de tabaco. Além disso, é considerado a maior causa evitável isolada de adoecimento e mortes precoces em todo o mundo. Somente no Brasil, mais de 400 brasileiros morrem diariamente por conta do tabaco.

A médica clínica e pneumologista da CNU, Daniela Chiesa, esclarece que não existem produtos do tabaco menos maléficos. A doença crônica causada pela dependência à nicotina, a substância encontrada em cigarro, também pode ser proveniente do uso de charutos, cigarrilhas, cachimbos e narguilés – todos prejudiciais à saúde. “Além da nicotina, existem nos produtos do tabaco monóxido de carbono, alcatrão, amônia, acetona, naftalina, formol, aldeídos, arsênio, nitrosamina, plutônio, níquel, cianeto, benzeno, chumbo, tolueno e mais de 7000 outras substâncias, 69 sabidamente cancerígenas”, explica Daniela.

O tabaco é implicado na causa direta de cerca de 50 doenças, entre vários tipos de câncer, enfermidades do aparelho respiratório, doenças cardiovasculares, úlcera digestiva, impotência sexual masculina, infertilidade feminina e complicações na gravidez. Somado ao contexto, está o fato de fumantes terem uma redução média de 10 anos na expectativa de vida. “Dependendo da intensidade e diagnóstico tardio, o quadro é irreversível para quase todas as doenças”, alerta Dra. Daniela. A especialista compartilha ainda complicações gerados pelo consumo do tabaco:

COVID-19 é mais suscetível entre fumantes

A médica reforça que os riscos de contaminação pelo novo coronavírus é maior entre os fumantes. “Complicações da Covid-19 ocorrem com mais frequência em tabagistas, assim como os riscos de contágio. Isso acontece pelo ato de fumar proporcionar constante contato dos dedos e cigarros possivelmente contaminados com os lábios, aumentando os riscos de transmissão pela boca. Além do uso de produtos compartilhados como narguilé, cigarros eletrônicos e cigarros de tabaco aquecido, que aumentam o risco de contágio.

Riscos do narguilé e cigarros eletrônicos

Comum entre os mais jovens, os riscos de doença por uso de narguilé e cigarros eletrônicos podem ser até maiores do que o cigarro tradicional. “Uma hora de narguilé produz fumaça que pode equivaler ao consumo de cem cigarros. E os eletrônicos funcionam produzem um aerossol que é inalado pelo usuário, aumentando o risco de doenças cardíacas e pulmonares. É preciso deixar muito claro que não existe forma segura para uso de produto de tabaco”, informa a médica clínica e pneumologista da Central Nacional Unimed.

Prejudicial até mesmo para os não-fumantes

Em tempos de pandemia e isolamento social, os riscos de doença por tabaco também estão atingindo os chamados “fumantes passivos” que, apesar de não consumirem diretamente o cigarro e seus derivados, acabam inalando fumaça por meio da convivência com fumantes em ambientes fechados. Os sintomas vão desde uma tosse até casos de câncer de pulmão, enfisema pulmonar e infarto. “Não há nível seguro de exposição ao tabagismo passivo e a única maneira de proteger adequadamente fumantes e não fumantes é eliminar o tabagismo em ambientes fechados”, ressalta a Dra. Daniela Chiesa.

Tratamento

O tratamento contra o ato de fumar é baseado no acompanhamento médico e de outros profissionais, tanto individual quanto em grupo, podendo ser proposto o uso de algumas medicações de apoio, sempre de forma individualizada. “Sabemos que é um processo difícil e envolve uma série de questões delicadas. Mas o apoio familiar e a busca por um suporte médico são fundamentais no processo de largar o vício”, finaliza a pneumologista.

Imagem: Health photo created by freepik – www.freepik.com

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial