Press "Enter" to skip to content

Ocupação de hospitais privados no Sudeste ultrapassa a média nacional no 1º tri em 2021

De acordo com dados da Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp), publicados no Observatório Anahp 2021 e na 6ª Nota Técnica do Observatório, de janeiro a março deste ano, a taxa de ocupação no Sudeste foi de 75,9%, acima da média nacional de 74,8% no período.

Impulsionado pela segunda onda de Covid-19, o aumento no número de pacientes internados impactou na gestão dos hospitais, exigindo ampliação do quadro de colaboradores para atender à alta demanda. O índice de admissões na região, por exemplo, passou de 1,7% no primeiro trimestre de 2020 para 2,8% no mesmo período deste ano e o absenteísmo cresceu de 2,2% para 3,0%, respectivamente.

No ano passado, a taxa de ocupação no Sudeste foi de 69,16%, acima da média nacional de 67,59%. Analisando as saídas hospitalares, é possível verificar que, em geral, a região superou a média brasileira em diversas enfermidades, mas ficou abaixo em moléstias infecciosas, onde está relacionada a Covid.

Em relação à faixa etária, a Sudeste foi a região que mais registrou saídas hospitalares de pacientes acima de 75 anos.

Além das informações regionais destacadas, o Observatório 2021 e a 6ª Nota Técnica apresentam dados nacionais que mostram que:

Em relação à Covid-19

– Entre os associados à Anahp, os maiores picos de ocupação de leitos exclusivos para pacientes com Covid-19, desde o início da pandemia, foram em março (alas: 89,6%, UTI: 97%), abril (alas: 71,1%, UTI: 92,9%) e maio de 2021 (alas: 71,6%, UTI: 91,6%).

– O pico de mortalidade de pacientes com Covid-19 nos hospitais associados à Anahp ocorreu em março de 2021, quando chegou a 15,1%, superando a taxa de 14,9% de agosto de 2020, até então o pior mês desde o início da pandemia.

– A relação entre o número de pacientes na urgência e emergência com suspeita de Covid-19 e os atendimentos totais no setor, que vinha apresentando diminuição desde dezembro de 2020, voltou a aumentar em março de 2021. Esse último resultado (25%) foi o maior observado desde os meses de julho (20,2%), novembro (22,1%) e dezembro (21,8%) de 2020, que registraram taxas acima de 20% no período analisado.

– O índice de pacientes com suspeita de Covid-19 atendidos no pronto-socorro (PS), que tiveram o diagnóstico positivo confirmado para a doença, apresentou pequena redução em janeiro de 2021 (33,1%), em comparação a dezembro de 2020 (37,8%). Em março de 2021, entretanto, a incidência de Covid-19 registrou a maior taxa observada desde o início da pandemia no Brasil: 45,3%.

Em relação à empregabilidade

– Com o súbito aumento no número de casos no Brasil, a demanda por profissionais de saúde cresceu exponencialmente. Em 2020, foram gerados 111 mil novos empregos formais no setor de saúde, mais da metade (78 mil) para as atividades de atendimento hospitalar.

– Junto com às novas contratações, cresceu também o absenteísmo. O contágio de profissionais da saúde e o esgotamento (burnout) são fatores que explicam o forte aumento na taxa, que saiu de 2,16% em 2019 para 3,56% em 2020. Já em relação a este ano, o absenteísmo (menor ou igual a 15 dias) também apresentou aumento na comparação com o primeiro trimestre de 2020 (2,4%) e 2021 (3,4%).

Em relação aos negócios

– As novas contratações, somadas a outros aumentos de despesas e à queda da receita dos hospitais privados devido à mudança no perfil do paciente, fizeram com que, no acumulado de 2020, a margem EBITDA ficasse em 8,04%. O valor representa uma queda significativa de 4,36 pontos percentuais, quando comparado ao mesmo período de 2019, e uma redução ainda maior quando comparado ao resultado de 2018 e 2016.

– Já o primeiro trimestre de 2021 trouxe números melhores, com EBITDA de 13,3% – um crescimento de 4,9 pontos percentuais em comparação ao mesmo período do ano passado (8,4%).

– Além do impacto do cancelamento de cirurgias eletivas, o custo de materiais e medicamentos também foi um grande desafio encontrado pelos hospitais, devido à alta dos preços, em função da escassez e da alta procura durante a pandemia. Em 2020, essa despesa, em relação às demais, ficou em 11,48%, enquanto em 2019 foi 10,63%.

Para obter os documentos completos, acesse:

6ª Nota Técnica do Observatório: https://conteudo.anahp.com.br/nt-observatorio-anahp-6a-edicao-maio-2021
Observatório 2021: https://conteudo.anahp.com.br/observatorio-2021

Imagem: Background photo created by mrsiraphol – www.freepik.com

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial