Press "Enter" to skip to content

iubem: o Uber da saúde

Startup mineira promove match entre profissionais da saúde e pacientes e promete trazer mais agilidade em atendimentos

Modelos de negócios que envolvem economia compartilhada e marketplace voltado para fornecedores e usuários físicos – cobrando uma taxa em troca do contato facilitado – são cada vez mais tendência em diferentes setores de economia e formatos de empresa. Na saúde não é diferente. No iubem , aplicativo lançado recentemente, profissionais de saúde são conectados a pacientes, democratizando o acesso à atendimento de qualidade.

Com interface simples e intuitiva, a healthtech tem um algoritmo semelhante ao app de viagens de carro onde o usuário pode selecionar pelo celular o tipo de especialidade médica que ele precisa, bem como data e horários de sua preferência. Assim que o iubem encontra profissionais disponíveis, uma seleção é disponibilizada ao paciente, que poderá escolher entre as opções propostas. A startup chega ao mercado com a promessa de criar pontes entre profissionais de saúde e pacientes, o que é valioso no setor. O app é para quem não encontra atendimento na rede pública e tampouco tem condições de arcar mensalmente com plano de saúde, porém têm condições de pagar uma consulta de qualidade por um preço justo.

Na outra mão, a relação também é vantajosa para profissionais de saúde. Tanto para aqueles já com carteira de pacientes, como para os que estão em início de carreira. Os profissionais recebem demanda, e dessa forma, tem a oportunidade de preencher um horário que ficaria vago em sua agenda, por exemplo, por uma desistência repentina. O iubem também é uma opção para o profissional que não pode dispor altos valores para se credenciar aos planos de saúde, visando garantir uma demanda de pacientes. A startup cria a ponte entre o médico e o paciente, porém por um valor justo para ambas as partes. Além disso, a empresa facilita e descomplica a gestão da agenda do médico, já que o próprio app coordena as suas marcações, evitando assim, um trabalho extra.

A healthtech é considerada uma B2B2C, que oferta serviço tanto para outras empresas, quanto para o cliente final. De acordo com o levantamento da consultoria Distrito, as startups com esse modelo representam apenas 4,6% do total. Acompanhando o cenário do mercado brasileiro de inovação, as health techs têm preferência em modelos de negócios que atendem outras empresas. As soluções B2B predominam e representam 48,3%. Em seguida, estão os modelos B2C (31,2%), B2B e B2C (15,9%) e por fim as B2B2C (4,6%).

Desde sua fundação em 2020, o iubem contou com um investimento inicial de R﹩ 1,5 milhão entre desenvolvimento, pesquisa e lançamento. Já atingida a meta inicial de cadastro de especialistas na plataforma, o app está disponível para iOS e Android. Para Eduardo Mendlovitz, diretor da empresa, a expectativa para 2021 é de se ter uma base de profissionais em torno de cinco mil especialistas, alcançando também a marca de mais de um milhão de usuários cadastrados no app. “O objetivo da plataforma é alcançar o Brasil como um todo, oferecendo saúde de qualidade de forma descomplicada e acessível”, afirma.

Imagem: Heart photo created by freepik – www.freepik.com

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial