Press "Enter" to skip to content

Cansaço pós-Covid pode ser sinal de anemia

Fadiga, falta de ar e queda de cabelo são sintomas relatados por pessoas infectadas pelo novo coronavírus. E podem indicar deficiência de ferro no sangue ou anemias que persistem depois do período mais agudo da infecção. No mês em que campanhas conscientizam sobre anemia e leucemia (Junho Laranja) e doação de sangue (Junho Vermelho), especialistas têm a missão de também esclarecer dúvidas relacionadas ao contexto de pandemia da COVID-19 – seja sobre sintomas, fatores de risco e sobre a própria vacina.

A hematologista Juliane Musacchio, do Grupo Oncoclínicas no Rio de Janeiro, explica que, durante a infecção pelo vírus, o paciente pode desenvolver anemia. Em caso de qualquer sintoma persistente, as causas devem ser investigadas por um profissional.

Quanto ao comportamento do vírus em pessoas com tendência à anemia, a médica ressalta que não há evidências de relação com casos mais graves. “Os dados da COVID-19 em pessoas que possuem doenças hematológicas benignas são escassos. Já formas de anemia hereditária, como a talassemia, podem ser um possível fator de alto risco, de acordo com relatos e séries de casos”, afirma Juliane.

Doença que ocorre na formação das células sanguíneas, a leucemia, assim como outros tipos de câncer, estão no grupo de risco associados à COVID-19 grave, prioritários para a vacinação. “Situações como doença falciforme, transplante de medula óssea e uso de corticosteróides ou outros medicamentos imunossupressores, muito usados no tratamento de doenças hematológicas, foram definidos como comorbidades”, acrescenta a hematologista.

Uma das dúvidas recorrentes no período é sobre os cuidados para doar sangue, ato essencial que não deve ser interrompido. No entanto, pessoas que atendem aos requisitos para doação mas que tenham tido COVID-19 ou tenham sido vacinados devem esperar 30 dias desde a dose do imunizante ou do término dos sintomas.

A hematologista esclarece outras dúvidas sobre anemia e leucemia:

– Anemia pode indicar outras doenças? Em casos mais persistentes, pode ter relação com doenças mais graves?
Sim, a anemia pode ser um achado em várias outras situações, não sendo exclusiva de doenças primariamente hematológicas. Pode ocorrer em vários tipos de infecção, câncer, doenças reumatológicas e autoimunes, dentre outras, e quando persistente, pode ter relação com quadros clínicos mais graves ou arrastados.

– O que indica anemia em um exame de sangue e evidencia que precisamos ter cuidado para não desenvolver caso mais grave?
A anemia é definida como uma redução em uma ou mais das principais medições de glóbulos vermelhos obtidas como parte do hemograma completo. Uma baixa concentração de hemoglobina e/ou hematócrito são os parâmetros mais utilizados para diagnosticar a anemia. Os critérios da Organização Mundial da Saúde (OMS) para anemia em homens e mulheres são hemoglobina abaixo de 13 ou 12 g/dL e hematócrito abaixo de 39% e 36%, respectivamente.

– Existem medidas para prevenir essas doenças? Há fatores de risco para leucemia? E para anemia?
Sim. No caso das anemias hereditárias, pode e deve ser feito o aconselhamento genético. Na anemia por deficiência de ferro, a mais comum em nosso meio, deve-se procurar imediatamente assistência médica em caso de sangramentos para evitar o desenvolvimento ou piora da anemia. Nas anemias por neoplasias hematológicas como a leucemia aguda, evitar situações de risco para o desenvolvimento dessas doenças como excesso de radiação, manipulação de produtos tóxicos como solventes, benzeno e outras substâncias químicas, além do tabagismo.

– Quem pode doar sangue nesse período? Que cuidados devem ser tomados?
Praticamente as mesmas pessoas que doavam sangue antes da pandemia pelo novo coronavírus: homens e mulheres em boas condições de saúde, com idade entre 16 e 69 anos. O voluntário precisa pesar mais de 50 kg. Há um intervalo entre as doações: para homens, o intervalo entre as doações é de 60 dias e para mulheres, 90 dias. Pessoas que tiveram sintomas relacionados à COVID-19 devem aguardar o período de um mês após o término dos sintomas para poder doar sangue. Quem foi vacinado também precisa aguardar 30 dias.

Imagem: Woman photo created by mdjaff – www.freepik.com

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial