Press "Enter" to skip to content

Futuro da medicina: a importância da saúde digital na nova era

Tecnologias integram dia a dia de clínicas e consultórios, facilitando processos internos e aprimorando jornada do paciente

Desde o início da pandemia da Covid-19, o uso da tecnologia em clínicas, hospitais e centros de diagnóstico passou a ganhar mais protagonismo, fazendo com que seus benefícios se tornassem grandes aliados na rotina médica. A telemedicina, por exemplo, se tornou uma alternativa mais segura para o atendimento médico. No entanto, a digitalização da medicina não se restringe ao atendimento online.

A saúde digital consiste em uma nova forma de atuação da medicina, aplicando abordagens e ferramentas digitais em seus processos. As inovações já estão presentes em clínicas, consultórios e hospitais, no intuito de oferecer mais estratégia ao dia a dia dos gestores e, claro, aprimorar a jornada do paciente que, atualmente, preza cada vez mais por uma experiência digital e de qualidade.

Quando a prática da telemedicina foi liberada no Brasil (Lei nº 13.989/20), no início da pandemia, foi preciso agir rápido para garantir o acesso à saúde em meio à crise sanitária que rapidamente tomou conta do país. A Doctoralia, referência em serviços de saúde em todo o mundo, estava pronta para o desafio e, assim que a modalidade a distância foi liberada no país, a ferramenta foi disponibilizada na plataforma para sua base de especialistas e pacientes.

Cadu Lopes, CEO da Doctoralia no Brasil, Chile e Peru, explica que, ao oferecer comodidade, segurança e praticidade, a telemedicina foi um dos principais pontos positivos dentro da transformação digital do setor. “A pandemia acelerou a digitalização de processos não apenas na saúde, mas em todos os setores. E a telemedicina veio para facilitar o atendimento, encurtando a distância entre o médico e o paciente, proporcionando mais segurança e autonomia nessa jornada de cuidados”, comenta.

Uma pesquisa divulgada pela Doctoralia e pelo TuoTempo em dezembro de 2020, o Panorama das Clínicas e Hospitais 2021, revelou que 86% dos brasileiros aprovam o uso da telemedicina. A experiência do paciente tem sido tão positiva desde então, que 81% afirmaram que vão continuar utilizando a ferramenta pós-pandemia.

E pensando na praticidade dos especialistas e dos centros médicos onde atuam, a Doctoralia oferece ferramentas que digitalizam a jornada dos pacientes, possibilitando que agendem consultas totalmente online, além de avaliarem profissionais de saúde e até mesmo tirarem dúvidas no fórum Pergunte ao Especialista. No Doctoralia Lab, também é possível encontrar centros de diagnósticos próximos e marcar virtualmente diferentes exames.

“Mais do que extremamente benéficas para os pacientes que procuram por praticidade na sua rotina, essas funcionalidades podem ser muito úteis também para a clínica e especialistas. Além de serem um diferencial entre a concorrência, elas permitem a digitalização e o armazenamento de dados que contribuem para uma melhor gestão da instituição”, completa o CEO.

Nos Estados Unidos, por exemplo, o governo criou este ano a lei 21st Century Cures Act ou Cures Act (lei das curas), que determina que centros médicos e profissionais e instituições de saúde adotem a digitalização dos dados dos pacientes. Dessa forma, torna-se possível criar um banco de dados unificado entre os estabelecimentos médicos e hospitais norte-americanos e facilitar o compartilhamento de informações entre a comunidade médica quando necessário, como em casos de acidentes ou emergências.

Essa prática pode ser realizada a partir do prontuário eletrônico que, no Brasil, é regulamentado desde 2002, mas atualmente vive um movimento crescente de implantação em clínicas e hospitais privados e públicos.

Trata-se de um documento único, que reúne uma série de informações sobre a situação da saúde do paciente e que valida a elaboração de um histórico dessa pessoa. Portanto, a versão eletrônica nada mais é do que a migração desses dados para as plataformas digitais. Dessa forma, tudo o que a equipe médica precisa para fazer um atendimento de qualidade se torna alcançável através de um toque na tela do celular ou um clique no computador.

De acordo com os dados do Comitê Geral da Internet (CGI), 74% das instituições médicas nacionais já adotam algum tipo de registro eletrônico para seus pacientes.

“E integrado ao prontuário eletrônico, está a prescrição digital, outro serviço oferecido pela Doctoralia que visa facilitar a relação entre médico e paciente, além de promover maior adesão ao tratamento, uma vez que a prescrição é fácil de ser acessada e conectada à ampla rede de farmácias e drogarias credenciadas”, pontua Cadu.

Em parceria com a Memed, referência em prescrição digital no Brasil, a Doctoralia oferece agilidade e praticidade, tomando menos tempo do médico. Além disso, a prescrição eletrônica apresenta uma economia considerável em materiais, como papel carbono, canetas, carimbos, entre outros.

“Sem dúvidas, o mundo está cada vez mais digital e isso amplia conexões entre pessoas e serviços. Por este motivo, a Doctoralia e suas frentes de negócio buscam conectar, validar e otimizar serviços digitais, fazendo-os funcionar de forma única, efetiva e transparente para os especialistas da área da saúde, assim como para os nossos usuários. Isso porque a digitalização da saúde veio para ficar e é preciso se reinventar constantemente, no intuito de garantir o melhor serviço e experiência ao paciente”, finaliza o CEO da Doctoralia.

Imagem: Technology photo created by wavebreakmedia_micro – www.freepik.com

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial